Batalha das Limas em Ponta Delgada repete-se na terça-feira

Batalha das Limas em Ponta Delgada repete-se na terça-feira

 

Lusa/Açoriano Oriental   Regional   24 de Fev de 2017, 10:19

A Batalha das Limas, que se realiza na terça-feira de Carnaval, em Ponta Delgada, surgiu há cinco séculos na ilha de São Miguel, disse o antropólogo Rui Sousa Martins.

"A Batalha das Limas remonta ao século XVI. Pelo menos há notícias do século XVI, tendo começado primeiro por se atirar frutos, já anunciando a primavera. Na época da laranja, que caracterizou o século XIX de São Miguel, também se arremessava este fruto", declarou à agência Lusa Rui Sousa Martins.

O docente da Universidade dos Açores explicou que os frutos deram lugar na Batalha das Limas à água, através da confeção de limas, produzidas de forma artesanal, com cera e parafina, em pequenos recipientes em formato de ovo.

Na atualidade, as limas existem em menor número devido à predominância dos sacos plásticos e dos balões com água.

Além da Batalha das Limas, o Campo São Francisco, em Ponta Delgada, foi palco, no século XX, de uma batalha de flores, em recinto fechado, com acesso pago, cujas receitas revertiam para iniciativas sociais.

Todos os anos, na terça-feira de Carnaval, a marginal de Ponta Delgada transforma-se num "campo de batalha" com um combate de água que marca o dia de Entrudo no maior município dos Açores.

Vários camiões, cheios de foliões, munidos do seu arsenal de limas, sacos plásticos e balões, percorrem a via com os participantes a "agredirem-se" mutuamente, embora se apresentem protegidos por capacetes.

Centenas de pessoas concentram-se ao longo da marginal da cidade para assistirem e, também, participarem no "confronto", com recurso a baldes de água, sacos e limas.

Rui Sousa Martins classificou a Batalha das Limas como o "Carnaval do nosso tempo, em que a máscara é substituída pelo capacete que, simultaneamente, protege e anula a identidade pessoal".

Segundo o docente da Universidade dos Açores, esta iniciativa é uma "tradição urbana recente", que substitui uma anterior, com a mesma designação.

"Trata-se de uma tradição muito urbana em que os foliões seguem em camiões, levam o seu arsenal, organizando-se em diferentes freguesias. O confronto, a luta e a água são elementos característicos do Carnaval micaelense", referiu.

Para o professor universitário, esta é "uma nova forma de sociabilidade, porque os jovens se podem encontrar e organizar numa prática social relevante que identifica também Ponta Delgada".

O antropólogo adiantou que a Batalha das Limas, tal como outras tradições do Carnaval de Ponta Delgada, permite uma "inversão dos papéis sociais e das identidades dos indivíduos", tendo estado as mulheres muitos anos afastadas desta iniciativa, o que já não acontece atualmente.

Segundo a Câmara Municipal de Ponta Delgada, que apoia a iniciativa, este ano vão participar na Batalha das Limas oito equipas com nove camiões, das freguesias de São Vicente Ferreira, São José, São Sebastião, São Pedro, São Roque, Fajã de Baixo, Santa Clara e Livramento.

A batalha decorre entre as 15:00 e as 19:00

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.