Banco de Portugal revê em alta projeção de crescimento para Portugal

Banco de Portugal revê em alta projeção de crescimento para Portugal

 

Lusa/AO online   Economia   15 de Dez de 2017, 12:38

O Banco de Portugal (BdP) melhorou hoje as projeções de crescimento de Portugal, esperando que o PIB aumente 2,6% este ano e 2,3% no próximo, desacelerando progressivamente o ritmo de crescimento até aos 1,7% em 2020.


No Boletim Económico de dezembro divulgado hoje, o banco central antecipa que a economia portuguesa cresça 2,6%, mais 0,1 pontos percentuais do que o esperado em outubro, e que cresça 2,3% no próximo ano, mais 0,3 pontos do que o estimado em junho, a última vez em que atualizou a projeção para 2018.

A instituição liderada por Carlos Costa refere que "a atividade económica continuará a apresentar um perfil de crescimento ao longo do horizonte de projeção", ainda que "a um ritmo progressivamente menor", crescendo 1,9% em 2019 (acima dos 1,8% anteriormente estimados) e 1,7% em 2020 (não há projeções anteriores para este ano).

Os números hoje divulgados pelo BdP acompanham a expectativa do Governo para este ano, que também antecipa um crescimento de 2,6%, e são ligeiramente mais otimistas para 2018, uma vez que o executivo espera que o PIB cresça 2,2% no próximo ano (abaixo dos 2,3% projetados pelo banco central).

O crescimento do PIB de Portugal ficará "muito próximo do da média da área do euro" até 2020 e, em termos do PIB 'per capita', "a convergência real face à área do euro deverá continuar nos próximos anos de forma ligeira", resultado em parte da redução da população em Portugal, refere o BdP, concluindo que "esta evolução será insuficiente para compensar a divergência real acumulada até 2013".

Quanto à composição do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), o BdP antecipa que a formação bruta de capital fixo (FBCF) deverá ser a componente "mais dinâmica", com crescimentos superiores a 5% em todos os anos da projeção.

Ainda assim, "o nível da FBCF em 2020 situar-se-á ainda 11% abaixo do observado em 2008", segundo o BdP.

As exportações deverão manter um "crescimento robusto no horizonte de projeção, explicado pela evolução da procura externa e pela estimativa de manutenção de ganhos de quota de mercado".

Apesar de estimar que o ritmo de crescimento das exportações abrande ao longo dos anos (dos 7,7% este ano para os 4,1% em 2020), o BdP afirma que "deverão atingir um nível 68% superior ao registado em 2008".

Também o consumo privado deverá apresentar um crescimento "relativamente estável e inferior ao do PIB": depois de uma ligeira subida de 0,1% este ano, deverá aumentar 0,6% no próximo, 0,4% em 2019 e 0,2% em 2020.

Em termos médios, este crescimento previsto para o consumo privado está "aproximadamente em linha" com o esperado para o rendimento disponível real, "o que se traduz numa taxa de poupança globalmente estável".

O desempenho antecipado para o consumo privado "reflete o desvanecer de efeitos associados à concretização de despesas que tinham sido adiadas no quadro da última recessão" e também a evolução do rendimento disponível real, que será "influenciada por um crescimento moderado dos salários reais e pela continuação da recuperação do mercado de trabalho, embora a um ritmo progressivamente menor".

Consequentemente, e tendo em conta o "crescimento muito limitado da população ativa", a taxa de desemprego irá "manter uma trajetória de redução": dos 8,9% este ano para os 6,1% em 2020.

No entanto, o BdP alerta para que, "não obstante os progressos observados desde 2013" no mercado de trabalho, "persiste uma percentagem de desempregados de longa duração de difícil reincorporação no mercado de trabalho".

Relativamente à inflação, o BdP afirma que o nível de preços "irá aumentar significativamente em 2017, para 1,6%", e que nos anos seguintes se mantenha em níveis "relativamente estáveis, com uma variação progressivamente menor do preço dos bens energéticos a ser compensada por uma aceleração moderada do IHPC [índice harmonizado de preços ao consumidor] excluindo bens energéticos".

A economia portuguesa deverá "manter uma situação de capacidade de financiamento em percentagem do PIB" até 2020 e o excedente da balança corrente e de capital deverá manter-se "relativamente estável em 2017 e aumentar moderadamente no período 2018-2020".

O banco central refere ainda que há "fatores de risco", considerando que estes riscos são "essencialmente de origem externa", como a evolução da crise na Catalunha, a possibilidade de as economias desenvolvidas adotarem medidas protecionistas no médio prazo e a hipótese de algumas economias emergentes altamente endividadas (e com destaque para a China) fazerem "um ajustamento económico mais acentuado".

O BdP entende que, "além do impacto descendente negativo para a procura externa dirigida à economia portuguesa", estes riscos "podem ter também consequências ao nível da confiança dos agentes económicos, dos preços das matérias-primas e de uma eventual apreciação adicional da taxa de câmbio do euro".

Outro risco externo apontado foi "a persistência de vulnerabilidades no sistema bancário" de alguns países do euro, o que o BdP considera que "pode ser mitigado pela possibilidade de o atual momento cíclico se revelar mais forte do que antecipado a nível global e interno, tendo em conta a melhoria continuada da confiança dos agentes económicos e o potencial impacto das medidas de política orçamental anunciadas nos Estados Unidos da América".

A nível interno, a instituição alerta para "a hipótese de a dinâmica recente dos preços de habitação ter um impacto superior ao esperado no investimento neste setor e no consumo privado" e refere que, quanto à inflação, os fatores de risco são ascendentes.

Assim, o BdP entende que os riscos que se colocam à atividade económica são "ligeiramente ascendentes em 2017 e descendentes em 2018-2019".

Para o banco central, "o atual momento cíclico deve ser aproveitado para a correção dos grandes desequilíbrios macroeconómicos que permanecem" em Portugal, nomeadamente para "a redução do endividamento público e privado", e o investimento "deve ser crescentemente dirigido para áreas que permitam aumentar o produto potencial", o que deve ser feito "através do aumento dos níveis de capital por trabalhador e de uma melhor afetação de recursos".



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.