Áustria quer impedir peregrinação de nazis a casa onde Hitler nasceu


 

Lusa/AO online   Internacional   27 de Mai de 2016, 18:36

O governo da Áustria anunciou ter apresentado um projeto de lei referente à casa em que nasceu Hitler, para resolver uma batalha judicial com a proprietária e impedir que se torne num local de peregrinação nazi.

 

Segundo um comunicado do Ministério do Interior, o objetivo do projeto de lei é expropriar a casa, transferindo-a para o Estado austríaco.

“Impedir que o local de nascimento de Hitler se torne num local de peregrinação ou de memória para os que têm ideais (nazis)” é o objetivo do governo desde a década de 1970, lê-se no comunicado.

Naquela data, as autoridades austríacas e Gerlinde Pommer assinaram um contrato de arrendamento, para a abertura de um centro de dia para deficientes na propriedade.

A casa, localizada no centro histórico de Braunau am Inn, norte da Áustria, está vazia desde 2011 e está classificada como património.

No seu comunicado, o Ministério acrescenta que face à impossibilidade de chegar a acordo com a proprietária, Gerlinde Pommer, iniciou em 2011 uma batalha judicial.

O desacordo teve origem na recusa da proprietária em fazer reformas no local.

A população de Braunau está dividida entre transformar a casa num centro de refugiados ou num museu da libertação da Áustria do domínio nazi.

A casa de Hitler é frequentemente palco de manifestações antifascistas e também de encontros de simpatizantes do regime nazi.

Adolf Hitler nasceu a 20 de abril de 1889 e dirigiu a Alemanha entre 1934 e 1945, à frente de um regime que se baseava na supremacia racial, de inspiração nazi e que viria a desembocar na Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.