Assunção Cristas acredita ser possível à direita ter em 2019 uma maioria parlamentar

Assunção Cristas acredita ser possível à direita ter em 2019 uma maioria parlamentar

 

Lusa/AO online   Nacional   20 de Fev de 2018, 08:56

A presidente do CDS, Assunção Cristas, defendeu na segunda-feira, em Matosinhos, ser possível em 2019 aos partidos de direita conseguirem uma maioria parlamentar como a que deu ao PS o Governo em 2015.

Discursando no jantar de tomada de posse da concelhia de Matosinhos do CDS, Assunção Cristas recordou as eleições para a Câmara de Lisboa para salientar "que não há impossíveis" e que, por isso, o CDS "deve acreditar ser possível chegar ao primeiro lugar".

"Esta solução (governativa) que temos agora, um dia pode acontecer do outro lado do espetro político", argumentou a presidente do CDS para quem "não é daqui a um ano e meio, mas agora" que tem de se "passar a mensagem de que em 2019 não está em causa quem fica em primeiro lugar nas eleições legislativas, mas quem consegue juntar um mínimo de 116 deputados".

Considerando que o caminho do CDS é "aprofundar o que no dia a dia faz diferença na vida das pessoas", a líder centrista reiterou que na democracia "não há impossíveis".

"Até às eleições é tempo para andar a todo o gás", recomendou Assunção Cristas que a 10 e 11 de março, em Lamego, terá o congresso do CDS em mais um passo rumo à preparação dos futuros combates políticos.

Sobre o congresso, prometeu concluir até sexta-feira a moção que vai apresentar, terminando o discurso da noite, a que assistiram cerca de 300 pessoas, a pedir "muito trabalho" a todos os centristas.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.