Associação vai desenhar mapa dos oficios tradicionais em extinção ao longo do Rio Paiva


 

Lusa/AO online   Nacional   2 de Ago de 2012, 10:45

A associação ambientalista "SOS Rio Paiva", de Castelo de Paiva, anunciou hoje que vai iniciar um projeto que pretende traçar um mapa dos últimos ofícios tradicionais que ainda resistem na geografia percorrida por este rio.

Segundo Sérgio Caetano, da “SOS Rio Paiva”, o projeto - denominado "Os últimos artesãos do Vale do Paiva" - foi aprovado pelo programa "Youth in Action", da União Europeia, e abrange todos os municípios atravessados pelo Rio Paiva: Castelo de Paiva, Cinfães, Arouca, Castro Daire, São Pedro do Sul, Vila Nova de Paiva, Sátão, Sernancelhe e Moimenta da Beira.

Sérgio Caetano admitiu à agência Lusa que a aprovação do projeto pelo programa europeu "Youth in Action" é importante, apesar de se tratar de "uma verba escassa" - cinco mil euros -, apontando a "necessidade de envolver outros patrocinadores, nomeadamente as autarquias".

Como exemplo da importância desta iniciativa, notou que pode contribuir para a "preservação de ofícios que já quase desapareceram e que podem constituir, no futuro, mais valias importantes para as economias locais, como os latoeiros ou os ferreiros".

Outros exemplos são os moleiros ao longo do rio. Os poucos que subsistem "estão a trabalhar apenas para fazer farinhas para alimentar o gado, quando, em muitos lugares do mundo, este seria um produto 'gourmet´ de elevado potencial económico", salientou.

"Sabe-se que é cada vez mais difícil encontrar moleiros, funileiros (latoeiros), cesteiros, tecedeiras ou ferreiros, com a mesma importância que noutros tempos, mas acreditamos ser possível, através do registo e divulgação destas profissões, inverter esta tendência e encontrar formas de despertar novamente o interesse por estas atividades", disse Sárgio Caetano.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.