Associação promove inclusão social através de ofícios tradicionais

Associação promove inclusão social através de ofícios tradicionais

 

Lusa/AO online   Regional   23 de Ago de 2017, 11:37

A associação Salvaterra, em Santa Maria, promove a inclusão social através de ofícios tradicionais, como a costura, carpintaria ou sapataria, e quer criar uma central de tratamento de lã de ovelha, anunciou a sua presidente.

"Existem sete ateliês, costura, lavandaria, carpintaria, jardinagem, estufas, sapateiro e loja social", afirmou à agência Lusa Dulce Resendes, explicando que nestes ateliês é promovida formação socioprofissional de beneficiários do Rendimento Social de Inserção.

Segundo a responsável, atualmente são nove homens (na carpintaria e jardinagem) e 18 mulheres (costura e lavandaria) beneficiários daquele subsídio que estão um dia por semana a realizar serviço comunitário na Salvaterra - Associação para o Desenvolvimento de Solidariedade Social Mariense.

Com cinco funcionários no quadro, cujo pagamento é feito através de protocolo com o Instituto da Segurança Social dos Açores, a associação conta ainda com cinco trabalhadores contratados no âmbito de programas de emprego.

"Estas atividades que estamos a desenvolver também promovem a inclusão de mais estas cinco pessoas. É da receita que retiramos das nossas atividades que conseguimos contratar, dando oportunidade a cinco desempregados terem uma atividade e, assim, poderem ter outra dinâmica nas suas vidas", adiantou Dulce Resendes, manifestando satisfação por pessoas que integraram os ateliês terem alcançado autonomia profissional.

Criada em 1998, a associação visa promover "o desenvolvimento local e rural, incentivar a formação socioprofissional da população, principalmente os beneficiários do RSI (...), desenvolver atividades sociais e culturais de apoio à família, e promover a proteção dos idosos na velhice".

"Para desenvolvermos estes objetivos criámos uma rede de artes e ofícios de apoio comunitário que estão espalhados em diversos ateliês", explicou.

Na antiga escola primária de Santa Bárbara está sediado, entre outros, o ateliê de costura, e é para este espaço que é encaminhada a roupa doada pela população, onde é limpa e, se necessário, arranjada.

No caso do não aproveitamento das peças de vestuário, estas são transformadas em produtos de tecelagem e artigos de 'patchwork', havendo no local dois teares, e posteriormente colocados à venda na loja social.

"Há aqui uma componente também ecológica, porque há uma reciclagem dos próprios materiais", realçou, referindo que na loja social a roupa pode ser adquirida a preços entre os 50 cêntimos e os cinco euros.

No âmbito da atividade direcionada para a terceira idade, a responsável destacou o centro de convívio da freguesia de Santo Espírito e o programa SOS Idosos, que possibilita pequenas reparações domésticas.

Dulce Resendes apontou ainda um programa dirigido à habitação de agregados com dificuldades financeiras, com a associação a fornecer material e mão-de-obra, o banco de bens usados ou o banco do bebé, através do qual fornecem artigos a famílias carenciadas.

Entre os projetos futuros, a Salvaterra quer instalar, num edifício situado em terrenos do aeroporto de Santa Maria, cedido pelo Governo dos Açores, a valência de distribuição de alimentos e uma central de tratamento de lã de ovelha. Santa Maria é a ilha dos Açores com maior número de ovelhas, cerca de 700.

Contíguo a este espaço, o executivo regional cedeu também um terreno onde a associação pretende construir instalações de raiz para a "relocalização definitiva de todos" os serviços, porque "a distância entre os mesmos às vezes dificulta a persecução" das atividades, justificou.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.