Assinaturas escondidas decifram autenticidade de quadro perdido de Klimt

Assinaturas escondidas decifram autenticidade de quadro perdido de Klimt

 

Lusa/AO online   Cultura e Social   3 de Abr de 2018, 09:42

Investigadores da Universidade de Coimbra e de instituições da Alemanha, Espanha e Japão decifraram assinaturas escondidas de um dos primeiros quadros do pintor austríaco Gustav Klimt, que se julgava perdido, pondo fim à forte polémica em torno desta obra.

“Após cinco anos de intensos estudos, uma equipa internacional de investigadores”, inicialmente das universidades de Coimbra (UC), de Hannover e de Mainz (Alemanha) e de Valladolid (Espanha)”, a que se juntaram mais recentemente as universidades japonesas de Shizuoka, Tsukuba, Yokohama e Tokushima, atesta a autenticidade do quadro ‘Trumpeting Putto’, de Gustav Klimt, afirma a universidade portuguesa, numa nota enviada hoje à agência Lusa.

A autenticação de ‘Trumpeting Putto’, uma das primeiras obras do pintor simbolista Gustav Klimt (1862-1918), que se “julgava perdida”, põe fim a “uma forte polémica em torno desta obra de arte”, salienta a UC.

“Das várias provas obtidas pelos cientistas durante as extensas e complexas análises, destaca-se a descoberta de duas assinaturas autênticas do [também] autor do famoso quadro ‘O Beijo’, escondidas na frente e verso da obra”.

A discussão começou em 2012, quando o colecionador Josef Renz adquiriu o quadro, que “tinha sido encontrado numa garagem do norte da Áustria”, refere a UC, recordando que, na ocasião, “peritos e historiadores de arte vieram a público questionar a autenticidade da obra, promovendo acesas discussões”.

Perante a controvérsia, noticiada em órgãos de comunicação social de todo o mundo, “foi decidido solicitar a intervenção de cientistas para esclarecer a autenticidade de ‘Trumpeting Putto’, obra que fez parte do teto do estúdio Klimt, em Viena, onde o pintor viveu com seu irmão Ernst entre 1883 e 1892”, adianta ainda a UC.

A obra desapareceu quando “um elevador foi instalado no edifício e julgava-se que tinha sido destruída”, acrescenta.

Benilde Costa, docente e investigadora do Departamento de Física da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC, que integra a equipa multidisciplinar responsável por estudar a obra, é especialista em espetroscopia de Mössbauer e aplicou esta técnica no estudo do quadro, utilizando um espetrómetro portátil cedido pela agência norte-americana NASA (sigla em inglês de National Aeronautics and Space Administration/Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço).

A espetroscopia de Mössbauer, explica Benilde Costa, “permitiu identificar os pigmentos usados na pintura sem ser necessária a extração de amostras da obra”.

O quadro, que foi completamente restaurado, vai ser apresentado na quarta-feira, em conferência de imprensa a realizar às 10:30 (hora local), no Museu Sprengel Hannover (Kurt-Schwitters-Platz), durante a qual “os especialistas vão explicar todo o trabalho científico que permitiu esclarecer a autenticidade da obra que se pensava perdida”, indica a UC.

“O trabalho ‘Trumpeting Putto’ é uma grande pintura circular com um diâmetro de cerca de 1,70 metros”, refere UC, sublinhando que “decifrada a sua autenticidade, os estudos prosseguem, agora com a colaboração das polícias criminais alemã e austríaca, dado tratar-se de um quadro extremamente valioso”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.