Artistas e políticos lamentam morte do "herói" da música


 

Lusa/AO Online   Internacional   11 de Jan de 2016, 08:22

Os mundos da arte e da política inundaram hoje as redes sociais com o anúncio da morte do cantor David Bowie, lamentando a perda do "herói" da música.

 

As reações surgiram após o filho do cantor ter anunciado, no Facebook do próprio Bowie, o falecimento do autor de "Ziggy Stardust", que morreu no domingo aos 69 anos, após uma batalha de ano e meio contra o cancro.

Na área da política, o primeiro-ministro britânico, o conservador David Cameron, encabeçou as condolências, ao publicar no Twitter que cresceu "a escutar e a ver o génio «pop» David Bowie".

"Era um maestro da reinvenção, que sempre a fez bem. Uma grande perda", escreveu.

Também o ministro da Economia, George Osborne, confessou que as canções de Bowie serviram de "pano de fundo" à sua própria vida, manifestando-se "orgulhoso" por o cantor ter sido um "ícone da criatividade britânica".

Por seu lado, em declarações à BBC, o líder trabalhista, Jeremy Corbyn, considerou que Bowie foi "um grande músico e grande artista".

"Quando ouvi a notícia da morte fiquei muito, muito triste. «Life On Mars" veio-me à cabeça. Canção maravilhosa, pessoa maravilhosa", afirmou.

No mesmo programa da BBC, o arcebispo de Cantuária, Justin Welby, admitiu ser fã do cantor desde os anos 1970 e que se sentava a ouvir os discos de Bowie "sem parar".

Em França, o primeiro-ministro Manuel Valls considerou Bowie "um artista fora de série" e "um herói do rock".

"David Bowie: um artista de múltiplas caras que revolucionou a música. Um herói do rock que nos fez vibrar", sublinhou Valls, que destacou como uma das "obras-primas" do cantor o álbum de 1972 "The Rise and Fall of Ziggy Stardust The Spider From Mars".

Ainda em França, o chefe de redação da revista musical francesa Les Inrockuptibles, Jean-Daniel Beauvallet, defendeu que Bowie "influenciou todo o «pop» moderno dos últimos 40 anos".

"Nos anos 1970 publicou um punhado de álbuns fundamentais, dando todas as pistas desde o «rock» decadente à «pop» eletrónica. (…) Criou a matriz da «pop» moderna", sustentou.

"RIP David. Amei a tua música. Amei-te"", escreveu, por seu lado, o ator australiano Russel Crowe, destacando o sétimo álbum do cantor "Pin Ups".

O também ator Mark Ruffalo expressou nas redes sociais "tristeza" pela morte de um "pai dos «freaks»" e "cantor lendário".

O comediante e ator Ricky Gervais, que chegou a convencer o seu ídolo para aparecer num episódio da série que produz "Extras", lamentou a morte de Bowie a poucas horas de apresentar os Globos de Ouro.

"Perdemos um herói", disse Gervais, que mostrou nas redes sociais uma fotografia dos anos 1990 em que surge disfarçado com o "alter ego" de Bowie ("Ziggy Stardust"), tirada da série "Comedy Lab", em que o ator desempenhou o papel de impostor do cantor.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.