Brasil

Apresentada queixa contra torturadores de Rousseff


 

Lusa/AO online   Internacional   5 de Nov de 2010, 09:51

Procuradores brasileiros apresentaram na quinta-feira uma queixa contra quatro militares acusados de assassínios e raptos no tempo da ditadura, um dos quais está ligado à tortura da presidente eleita, quando era guerrilheira na década de 1970.
A queixa civil também envolve o caso de um rebelde que foi morto quando já estava detido, depois de conduzir, em 1969, o rapto do antigo embaixador norte-americano Charles Elbrick.

O Supremo Tribunal do Brasil confirmou recentemente uma lei da amnistia, de 1979, que perdoava tanto civis como pessoal militar por alegados crimes cometidos na altura da ditadura militar, entre 1964 e 1985.

Mas os procuradores argumentam que a lei não impede as acusações sob a lei civil.

Os três antigos soldados e o antigo polícia militar visados estiveram ligados à Operação Bandeirantes, um grupo secreto paramilitar que atacou rebeldes esquerdistas a partir de 1969, alegam os procuradores.

Entre os acusados está o antigo capitão Maurício Lopes Lima, que é responsabilizado pela tortura de Rousseff depois de esta ter sido capturada no início de 1970.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.