António Guterres diz que única agenda que seguirá é a Carta das Nações Unidas

António Guterres diz que única agenda que seguirá é a Carta das Nações Unidas

 

Lusa/AO online   Nacional   13 de Out de 2016, 17:09

O secretário-geral das Nações Unidas designado, António Guterres, garantiu que não terá "nenhuma agenda a não ser a da Carta das Nações Unidas" e que privilegiará uma "abordagem humilde" à atual complexidade do mundo.

 

No primeiro discurso na Assembleia-geral da ONU, após aclamação como 9.º secretário-geral das Nações Unidas, que iniciará funções em 1 de janeiro de 2017, António Guterres repetiu as duas palavras que resumem o que sentiu quando soube da decisão tomada pelo Conselho de Segurança de o indicar para liderar a organização internacional: "gratidão e humildade".

Mas agora juntou-lhe "um profundo sentido de responsabilidade", garantindo que não terá "todas as respostas", nem imporá opiniões.

O antigo primeiro-ministro sublinhou ter "um conhecimento profundo" das limitações do cargo e dos desafios para a organização e garantiu que vai trabalhar como "um convocador, um mediador, um construtor de pontes e um intermediário honesto para ajudar a encontrar soluções que beneficiem todos os envolvidos".

Recordando a sua experiência de dez anos à frente do Alto Comissariado das Nações Unida para os Refugiados (ACNUR), reconheceu que é legítimo perguntar "o que aconteceu à 'dignidade e valor da pessoa humana'".

No discurso, Guterres concentrou-se na paz, "a grande ausente" do mundo de hoje. "Sem paz, não podemos garantir o desenvolvimento sustentável e o respeito pelos direitos humanos", vincou.

"Quando estudava História no liceu, e com paixão, quase todas as guerras terminavam com vencedores. Mas os conflitos atuais não conhecem mais nada além de perdedores", distinguiu, sublinhando que "as guerras parecem intermináveis, são mais e mais complexas e interligadas e alimentam o ódio e o terrorismo".

E voltou a assumir o "profundo sentido de responsabilidade" de que já tinha falado antes: "É nossa responsabilidade coletiva acabar com este estado de coisas."

Consciente das "diferentes visões" e dos "interesses legítimos por vezes divergentes" dos Estados que compõem as Nações Unidas, Guterres afirmou que "as ameaças" atuais à "segurança coletiva" impõem a prevalência de "um interesse comum". Sobre isto, Guterres deixou um apelo: "Unamo-nos pela paz -- esta é a exigência mais premente dos cidadãos do mundo que devemos servir."

Sem mencionar diretamente os escândalos que envolvem as forças de manutenção de paz -- nomeadamente os abusos sexuais na República Centro-Africana e a epidemia de cólera no Haiti --, o próximo secretário-geral convocou os Estados-membros e todas as estruturas da organização a impedirem que "comportamentos repugnantes danifiquem o heroísmo ao serviço das Nações Unidas".

Guterres não deixou de fazer referência à igualdade de género -- no contexto em que uma parte da comunidade internacional reclamava uma mulher para a liderança da organização --, sublinhando que há muito conhece "os obstáculos que as mulheres enfrentam na sociedade, na família e no trabalho" e que tem testemunhado "a violência a que estão sujeitas".

No discurso, Guterres garante que "a proteção e a capacitação das mulheres e das meninas vão continuar a ser uma prioridade" durante o seu mandato, que terminará a 31 de dezembro de 2021.

Num discurso em inglês, espanhol e francês, Guterres elogiou "a notável demonstração de consenso e unidade" em torno da sua eleição e também "a transparência e a abertura do processo de seleção", para concluir que venceu, antes de tudo, "a credibilidade" das Nações Unidas.

As únicas palavras que disse em português -- língua não oficial nas Nações Unidas -- foram "muito obrigado", mesmo no final da intervenção.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.