António Costa insiste na necessidade de "ferramenta" para resolver crédito malparado

António Costa insiste na necessidade de "ferramenta" para resolver crédito malparado

 

Lusa/AO Online   Economia   15 de Abr de 2016, 10:30

O primeiro-ministro recusou hoje alguma vez ter defendido a injeção de dinheiro público na banca, sublinhando que apenas referiu considerar útil que fosse encontrado "um veículo, uma ferramenta, um instrumento" para resolver o problema do crédito malparado.

 

"Sei que não defendi qualquer injeção de dinheiro público na banca portuguesa, defendi numa entrevista algo diferente, que é assumir que há um problema", afirmou o primeiro-ministro, António Costa, durante o debate quinzenal no parlamento, em resposta a uma pergunta da porta-voz do BE, Catarina Martins, sobre o "plano" o Banco de Portugal para "uma nova injeção de dinheiro público na banca absolvendo parte do crédito malparado".

Garantindo desconhecer tal projeto do Banco de Portugal e sublinhando não ser "porta-voz" do governador da instituição, António Costa vincou que a ideia que defende não é "de ajudar a salvar bancos", mas "garantir o financiamento à economia portuguesa".

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.