Analistas dividem-se sobre evolução do preço do petróleo

Analistas dividem-se sobre evolução do preço do petróleo

 

AOnline/LUSA   Economia   11 de Out de 2015, 13:53

A evolução do preço do petróleo e das matérias-primas está a dividir os analistas, com o chefe deste departamento no Citigroup a considerar que o preço ainda vai descer, e a Pimco a antecipar uma subida.

"Penso que ainda não batemos no fundo porque ainda estamos a ver uma deflação de custos consistente", disse o chefe do departamento de pesquisa sobre matérias-primas, Ed Morse, numa reunião do Instituto Internacional de Finanças, que decorre em Lima, no Peru.

A opinião de Morse contrasta com a da Pacific Investment Management, uma das maiores gestoras de fundos do mundo, com mais de 1,5 triliões de dólares em ativos, que antecipou na sexta-feira que a quebra nos preços está provavelmente terminada.

"O declínio no preço das matérias-primas está basicamente terminado", defendem os vice-presidentes da Pimco Greg Sharenow e Nic Johnson num comentário citado pela Bloomberg.

O preço do petróleo nos mercados de referência começou a cair no verão de 2014, e desceu para mais de metade do pico alcançado em junho do ano passado, colocando as economias dos países produtores de petróleo em sérias dificuldades para equilibrar os orçamentos e obrigando as grandes petrolíferas a elaborarem planos de contingência para responder à descida das receitas.

Em agosto, o preço de referência do crude em Londres e Nova Iorque caiu para mínimos de seis anos e os preços mais baixos estão a ter "um impacto significativo na aceleração do crescimento da produção", analisou o vice-presidente da Pimco Greg Sharenow.

O petróleo de Brent, a referência para os mercados internacionais, fechou na sexta-feira nos 52,65 dólares por barril.

As divisões entre os analistas revelam-se também nas previsões que as próprias petrolíferas fazem para a evolução dos preços do petróleo.

A maior petrolífera brasileira, a Petrobras, antecipou que o preço vai acelerar para os 55 dólares por barril, quando antes a previsão apontava para os 70 dólares por barril.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.