Amnistia Internacional e Paul McCartney manifestam apoio a grupo 'punk' Pussy Riot

Amnistia Internacional e Paul McCartney manifestam apoio a grupo 'punk' Pussy Riot

 

Lusa/AO online   Internacional   16 de Ago de 2012, 16:44

A Amnistia Internacional entregou esta quinta-feira na embaixada russa em Londres uma petição a favor do grupo 'punk' russo Pussy Riot, no mesmo dia em que o ex-Beatle Paul McCartney divulgou uma carta de apoio à banda feminina.

Um ativista da organização de defesa dos direitos humanos entregou a petição, com cerca de 10 mil assinaturas segundo a organização, a um guarda através do gradeamento da embaixada, que estava encerrada, de acordo com o testemunho de um repórter fotográfico da agência noticiosa francesa AFP.

A presença dos ativistas da Amnistia, cerca de oito, foi acompanhada de perto por elementos da polícia britânica.

Três jovens, envergando passa-montanhas de cores vivas, imagem de marca do grupo ‘punk’ feminino russo, também estiveram no local. Com algemas nos punhos, as jovens exibiam uma mordaça na boca com a frase “Libertem as Pussy Riot”.

Esta ação da Amnistia Internacional ocorre na véspera da leitura em Moscovo da sentença dos três elementos do grupo feminino Pussy Riot, acusadas de crimes de vandalismo motivado por ódio religioso.

Nadejda Tolokonnikova, de 22 anos, Ekaterina Samoutsevitch, de 29, e Maria Alekhina, de 24, entraram encapuzadas em fevereiro passado numa catedral ortodoxa de Moscovo e cantaram uma canção de protesto contra o Presidente russo Vladimir Putin. As jovens foram detidas em março e mantidas, até à data, sob custódia policial.

A acusação pede três anos de prisão para as jovens.

Também hoje o ex-Beatle Paul McCartney divulgou uma carta de apoio às jovens russas. Na missiva, McCartney pede às três jovens para “manterem a força”, assegurando que as pessoas que acreditam na liberdade de expressão, incluindo o próprio, irão fazer tudo o for possível para apoiar o grupo feminino e o princípio da liberdade artística.

“Esperamos convictamente que as autoridades russas apoiem o princípio da liberdade de expressão para todos os seus cidadãos”, escreveu ainda o músico britânico.

O caso das Pussy Riot está a provocar várias divisões na sociedade russa, bem como ganhou um grande mediatismo internacional.

Durante as últimas semanas, vários nomes da música internacional manifestaram publicamente o seu apoio à banda russa.

Madonna, Sting, Red Hot Chilli Peppers ou Yoko Ono, a viúva de outro ex-Beatle John Lennon, foram alguns desses nomes.

A leitura da sentença das três jovens está prevista para sexta-feira para as 15:00, hora local (12:00 em Lisboa).


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.