Associação no Canadá mantém vivas tradições dos emigrantes

Associação no Canadá mantém vivas tradições dos emigrantes

 

LUSA/AO Online   Regional   11 de Mai de 2015, 12:20

A Associação Cultural Amigos do Pico, em Surrey, na costa oeste do Canadá, continua a manter vivas, com "muita saudade", as tradições trazidas pelos emigrantes que partiram dos Açores.

"Viemos para cá e trouxemos as tradições de lá (Açores). É com essa grande saudade que revivemos essas tradições. Tínhamos um grupo folclórico, a 'Chamarrita' [dança que tem como características o bater de pés e o bater de mãos] e o grupo coral, mas estamos a ficar um pouco idosos e os novos estão a afastar-se um pouco", começou por lamentar à agência Lusa, o presidente da coletividade, Equino Raposo, de 76 anos, natural da Madalena do Pico. A Associação Cultural Amigos do Pico fica em Surrey, 35 quilómetros a sudeste de Vancouver, e conta com 120 sócios. Foi fundada há 22 anos, devido à Festa da Santíssima Trindade, que este ano se celebra a 31 de maio. "Começámos com 12 famílias. Queríamos mostrar às outras comunidades a nossa cultura, o que era aquele festa e o que representava", destacou Equino Raposo, que emigrou para o Canadá em 1960. A coletividade com sede própria, organiza outro tipo de festas ao longo do ano, que permitem fazer face às despesas mensais fixas, que rondam os 1.200 dólares canadianos (888 euros). Os Amigos do Pico também organizam anualmente uma tradicional 'matança do porco' à moda do Pico, para "mostrar à restante comunidade portuguesa e canadiana a gastronomia portuguesa". Uma das dificuldades que os responsáveis daquela associação estão a sentir é falta de adesão dos mais novos ao associativismo, um problema que afeta também muitas outras coletividades. "Há dificuldades, não só na nossa coletividade, mas noutras associações em Vancouver. Têm problemas porque os velhos estão-se a afastar e os novos não aderem, nomeadamente os de segunda e terceiras gerações. Eu também tenho filhos e eles não estão cá, por isso não posso falar dos outros. Há dificuldades em se manter a nossa tradição", reconheceu. O emigrante também admitiu ser "difícil juntar a comunidade portuguesa" porque está muito espalhada por diversas áreas da cidade de Vancouver, visto que a coletividade está localizada em Surrey, a meia hora da maior cidade na Colúmbia Britânica. Contudo, os Amigos do Pico estão a despertar a atenção de muitos responsáveis açorianos e alguns associados já falam na "alteração" do nome da associação para Casa dos Açores de Vancouver, mas o líder associativo diz que o assunto será debatido numa futura assembleia-geral. "Sou presidente e tenho direito só a um voto. Temos todas as qualidades para sermos uma Casa dos Açores, mas serão os 120 sócios a decidir o que pretendem desta associação, em assembleia-geral extraordinária a marcar futuramente", concluiu. Calcula-se que existam no Colúmbia Britânico cerca de 35 mil portugueses e lusodescendentes.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.