Ambiente domina encontro entre papa e secretário-geral da ONU

Ambiente domina encontro entre papa e secretário-geral da ONU

 

Lusa/AO online   Economia   28 de Abr de 2015, 12:04

O papa Francisco recebeu o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, à margem de um colóquio científico sobre proteção ambiental organizado no Vaticano, anunciou o serviço de imprensa.

 

Ban Ki-moon e o papa reuniram-se em privado "durante meia hora", antes do início do colóquio, disse Ciro Benedettini, vice-diretor da sala de imprensa do Vaticano, sem precisar os temas abordados.

"O papa Francisco e eu acabámos de ter uma conversa muito longa e frutuosa", afirmou Ban na abertura do colóquio "Proteger o planeta, tornar digna a humanidade", organizado pela Academia Pontifícia das Ciências.

"Espero com impaciência a encíclica do papa Francisco", acrescentou o secretário-geral da ONU, numa referência à encíclica sobre a ecologia humana que o papa deve publicar em junho ou julho.

"A ciência e a religião não têm posições opostas sobre as alterações climáticas", disse, congratulando-se com os esforços do papa e da Igreja Católica para "chamar a atenção para a necessidade urgente de promover um desenvolvimento sustentável".

Em relação à conferência sobre o clima, prevista em dezembro na capital de França, Ban considerou que "Paris não é um ponto final, mas deve ser um ponto de viragem para encontrar uma via comum de resposta ao desafio que é o clima".

Ban defendeu que "atenuar as alterações climáticas e adaptar-se aos efeitos é necessário para erradicar a pobreza extrema, reduzir a desigualdade e garantir um desenvolvimento económico justo e sustentável".

"As alterações climáticas estão intrinsecamente ligadas à saúde pública, à segurança da água e dos alimentos, aos movimentos migratórios e à paz e à segurança. É uma questão moral (...) de justiça social, direitos humanos e ética fundamental", sublinhou Ban.

O secretário-geral das Nações Unidas considerou que "as alterações climáticas estão a ocorrer agora", afetando especialmente os mais pobres, e as atividades humanas "são a principal causa".

"Somos a primeira geração que pode acabar com a por acabar e a última geração que pode recear os piores impactos das alterações climáticas", concluiu Ban Ki-moon.

Na segunda-feira, o secretário-geral da ONU encontrou-se com o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, e com a chefe da diplomacia da UE, Federica Mogherini, para manifestar a vontade comum de pôr fim ao drama da imigração clandestina, uma semana depois do mais grave naufrágio no mar Mediterrâneo.

Perante a multiplicação destas tragédias, o papa tinha pedido à comunidade internacional para "atuar com rapidez".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.