Alunos contra aumento de propinas na Universidade dos Açores


 

Lusa/AO Online   Regional   3 de Jun de 2015, 16:56

O presidente da Associação Académica da Universidade dos Açores manifestou-se hoje contra um agravamento das propinas na academia, considerando que não podem ser os alunos a pagar o seu défice.

“Não podem ser sempre os estudantes a pagar os problemas de gestão da Universidade dos Açores”, declarou Luís Pimentel aos jornalistas, na sequência do Conselho Geral da Universidade dos Açores, realizado em Ponta Delgada e que está a analisar um aumento de 15 euros nas propinas no âmbito do Plano de Reestruturação Financeira definido com o Ministério da Educação.

O dirigente associativo, que se fez acompanhar de cerca de 30 alunos, considerou que é prematuro dizer se a suspensão da votação do aumento de proprinas pelo Conselho Geral, hoje, para que o Conselho Estratégico se possa pronunciar, é ou não positiva.

“Vamos esperar para ver. Sabemos que, avançando-se para o Conselho Estratégico, poderá haver até a indicação de se ir para a propina máxima. Vamos refletir depois e avançar com medidas”, declarou o representante dos alunos.

Luís Pimentel sublinhou que estar contra o aumento de propinas não significa que a Associação Académica não esteja consciente dos problemas com que a universidade açoriana se confronta, mostrando disponibilidade para trabalhar em alternativas para ajudar a combater o passivo.

“Não é só dizer não. Há que pensar também nas necessidades da Universidade dos Açores. Não podemos deixar a academia morrer”, referiu.

A direção do organismo representativo dos estudantes esteve entretanto reunida com os restantes órgãos da academia açoriana para abordar a questão das propinas e mostrar o seu desacordo com o agravamento.

Num documento elaborado pela direção e assembleia-geral dos estudantes, considera-se que “não é líquido que um novo aumento de propinas seja uma necessidade ou mesmo uma medida técnica, dado que são do desconhecimento geral os resultados operados com o aumento de propinas no ano anterior”.

De acordo com os órgãos representativos dos estudantes, o aumento é negativo para a universidade, que tem uma dívida de cerca de dois milhões de euros.

“A Associação Académica distingue as ideias avulsas de propostas concretas e integradas com base em contas consolidadas”, considera-se no documento.

A direção associativa declara que “é um erro crasso sacrificar” a academia “em prol de uma organização opaca” e diz que nunca aceitará que seja o ensino a “pagar erros de administração”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.