Alívio pelo "não" escocês em Londres, Bruxelas e Madrid, tristeza em Edimburgo

Alívio pelo "não" escocês em Londres, Bruxelas e Madrid, tristeza em Edimburgo

 

Lusa/AO online   Internacional   19 de Set de 2014, 11:23

Mais de dois milhões de eleitores escoceses decidiram o "não" à independência do Reino Unido, num referendo cujo resultado foi recebido com alívio por Londres, Bruxelas e Madrid, mas chorado em Edimburgo.

 

Com uma participação recorde de 85,6 por cento, "não" foi o voto de 55,3% dos eleitores, 150 mil votos acima do número necessário para um dos campos vencer.

Ainda de madrugada, o ministro principal escocês, Alex Salmond, reconheceu a derrota no referendo de independência no país e disse aceitar o veredito da população, apelando ainda a que os três grandes partidos do Reino Unido cumpram as promessas de conceder mais autonomia à região.

No centro de Edimburgo, ativistas do "sim", que durante a noite e debaixo de chuva alimentaram a esperança da vitória, reagiram com tristeza e desânimo.

Segundo contaram à Lusa dois portugueses emigrados na Escócia, as pessoas acordaram hoje em Glasgow cabisbaixas por ter sido rejeitada a independência, enquanto em Edimburgo o dia amanheceu sossegado, cancelados os festejos programados pelos defensores do "sim".

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, manifestou-se satisfeito pela decisão do povo escocês em manter unidas as "quatro nações" e disse que o “resultado foi claro” e que é uma “oportunidade” de mudar a forma como o país é governado.

O presidente do parlamento europeu, Martin Schulz, disse estar aliviado com a vitória do "não" no referendo sobre a independência da Escócia.

No mesmo sentido, o presidente do Conselho Europeu, Van Rompuy, saudou a opção dos escoceses, salientando que o Reino Unido “é e continuará a ser um importante membro da União Europeia, para benefício de todos os cidadãos e Estados-membros”.

O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, disse que a recusa da independência pelos escoceses, em referendo, unifica e fortalece a Europa.

Quanto a Mariano Rajoy, presidente do governo espanhol, felicitou os escoceses por terem recusado a independência, evitando assim as “graves consequências” que teria tido a separação do Reino Unido.

O secretário-geral da NATO, Anders Fogh Rasmussen, disse respeitar a escolha feita pelos escoceses, manifestando-se convicto de que o Reino Unido continuará a desempenhar um papel de liderança no seio da Aliança Atlântica.

As empresas escocesas cotadas na bolsa de Londres assim como a libra esterlina registaram uma subida de cotações depois de confirmada a vitória do "não".



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.