AI alerta que Sakineh Ashtiani continua a correr grande risco de ser lapidada


 

Lusa / AO online   Internacional   11 de Ago de 2010, 18:22

A Amnistia Internacional (AI) alertou que a iraniana Sakineh Mohammadi Ashtiani, acusada de adultério, continua a correr um grande risco de ser executada por lapidação no Irão.
Ashtiani foi considerada culpada em 2006 de ter “relações ilícitas” com dois homens e desde então está presa na cidade de Tabriz (noroeste).

Em comunicado, a AI recordou que a mulher perdeu a sua principal defesa legal após a saída do Irão do seu advogado, Mohammad Mostafaei, e alertou que as autoridades iranianas estão a tentar minar a pressão internacional sobre o assunto.

A organização de defesa dos direitos humanos indicou que se iniciou a 04 de Agosto a revisão da condenação à morte de Ashtiani no Supremo Tribunal iraniano. A revisão pode ser uma tentativa das autoridades para reduzir a pressão internacional.

A AI assinalou que enquanto não houver uma declaração da magistratura iraniana de que a condenação por lapidação foi anulada, Ashtiani “pode ser lapidada a qualquer momento”.

Nesse sentido, a organização continua a recolher assinaturas para pedir uma anulação da execução.

A Amnistia apelou ao Irão para não executar Ashtiani e para suspender as execuções por lapidação como um primeiro passo para acabar com a pena de morte no país. Pediu ainda a proibição da flagelação e a descriminação do sexo consensual entre adultos.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.