AHRESP disponibiliza "vales de desconto" para aligeirar preço das refeições para os mais pobres


 

Lusa/AO On line   Regional   8 de Dez de 2010, 06:42

Os mais de 300 restaurantes associados da AHRESP vão receber, a partir do meio do mês, títulos de refeição especialmente concebidos para comparticipar as refeições dos “pobres envergonhados”, disse à Lusa o secretário-geral daquela entidade.

Os associados vão criar um novo produto – semelhante aos tickets de refeição já existentes – para ajudar os cidadãos mais necessitados, explicou José Manuel Esteves.

“Estes títulos de refeição são uma forma de os cidadãos irem aos restaurantes e, de uma forma discreta e com toda a dignidade, receberem apoio”, adiantou o responsável da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP).

A iniciativa faz parte de uma campanha que a AHRESP, em conjunto com parceiros como os grandes supermercados e a Associação Nacional de Municípios, vai lançar na quinta-feira e que é designada por DA – Direito à Alimentação.

O objetivo é criar uma rede de solidariedade que permita fornecer, a quem precisa, refeições suficientes e equilibradas para que não haja “mais nenhuma criança ou idoso subnutrido ou a passar fome”.

A ideia de criar os títulos de refeição surgiu pela experiência vivida em muitos restaurantes, sobretudo nos últimos tempos, contou José Manuel Esteves.

“Diariamente vão pessoas aos nossos estabelecimentos - e agora cada vez mais frequentemente e ainda mais do futuro, dependendo do que acontecer – e, com a máxima dignidade, pedem ajuda porque têm fome”, referiu, garantindo que os restaurantes dão comida e bebida, mas em “atos dispersos e voluntários”. A partir de agora “essa boa vontade passa a ter uma estratégia”.

Para reconhecer os estabelecimentos que aderiram e aceitam os títulos de refeições, será dada uma placa para colocar à porta no momento em que se inscreverem no Balcão Único Empresarial, uma ferramenta da AHRSP para congregar os esforços.

Com lançamento preparado já para o final desta semana ou início da próxima, a campanha DA visa “congregar todas as iniciativas”, desde as “cadeias agro-alimentares, passando pela grande distribuição alimentar e pelo sector da restauração todo - desde o mais modesto cafezinho até ao mais relevante restaurante e hotel – e até às autarquias e às instituições de solidariedade social, sublinhou o responsável.

“Normalmente, as campanhas de alimentos pecam por falta de frescos e de frutas, leguminosas, peixe e carne e é nesse sentido que queremos passar a dar uma nutrição mínima”, referiu, sublinhando que o que será dado “não são sobras nem excedentes, é uma parte do negócio de alimentação”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.