Agricultores insistem na necessidade de “boas execuções” do Plano de Investimentos

Agricultores insistem na necessidade de “boas execuções” do Plano de Investimentos

 

Lusa/AO online   Regional   29 de Set de 2017, 15:40

O presidente da Federação Agrícola dos Açores, Jorge Rita, insistiu na necessidade de haver “boas execuções” dos planos de investimento, reconhecendo que o setor pretendia mais verbas na proposta para 2018.

“A proposta não contempla aquilo que nós tínhamos pedido, que era um aumento de dez milhões de euros”, afirmou Jorge Rita, após ter participado, em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, na reunião do Conselho Regional de Concertação Estratégica para analisar as antepropostas de Plano e Orçamento para 2018.

Segundo Jorge Rita, o documento “mantém-se na mesma ordem” do que está em curso para 2017, salientando que a “grande preocupação” da federação “já não é o Plano de Investimento”, mas a sua execução.

“Se existem muitos pagamentos em atraso da parte do Governo Regional” em relação aos compromissos, “obviamente que a execução é que é fundamental”, declarou o dirigente.

O presidente da Federação Agrícola dos Açores reiterou que haver em setembro “26% de execução do plano é muito pouco”.

“O que faz sentido é termos bons planos, mas que tenham boas execuções”, insistiu.

À pergunta se ficou desiludido face ao valor inscrito na anteproposta, Jorge Rita contrapôs: “É uma questão de apreensão saber se o Governo Regional quer continuar ou não a investir na agricultura”.

No passado dia 11, numa audição com o presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, no âmbito da auscultação dos parceiros sociais para preparar as propostas de Plano e Orçamento Regionais, Jorge Rita defendeu um reforço de dez milhões de euros para o setor no próximo ano que, se assim fosse, atingiria 66 milhões de euros.

A anteproposta do Plano de Investimentos dos Açores para 2018 é de 752 milhões de euros, anunciou hoje Vasco Cordeiro.

“É um plano que, simultaneamente, dá resposta àquela que é uma situação nova, um novo ciclo na nossa economia e que pretende continuar na construção dos alicerces para que esse novo ciclo tenha sustentabilidade, tenha um crescimento consolidado em benefício das açorianas e dos açorianos”, salientou o chefe do executivo açoriano.

A Federação Agrícola dos Açores representa 19 associações, com cerca de 12 mil agricultores.

O Conselho Regional de Concertação Estratégica integra representantes dos trabalhadores, empregadores, setores das pescas e da agricultura, autarquias, instituições particulares de solidariedade social, associações de defesa do consumidor, de defesa do ambiente, da área da igualdade de oportunidades e da Universidade dos Açores.

Neste órgão estão também os representantes dos Açores no Conselho Económico e Social e três personalidades de reconhecido mérito nas áreas de competência deste Conselho.

Estas entidades têm até dia 20 de outubro para emitir parecer.

Também no próximo mês, depois de aprovadas em Conselho do Governo, as propostas de Plano e Orçamento para 2018 serão entregues no parlamento regional, para debate e votação em plenário, previsto realizar-se em novembro.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.