AG da SAD do Santa Clara não reconhece venda de de ações a investidor turco

AG da SAD do Santa Clara não reconhece venda de de ações a investidor turco

 

AO/LUSA   Futebol   31 de Out de 2016, 20:52

A mesa da assembleia geral da SAD do Santa Clara não reconheceu hoje os documentos comprovativos da venda de 46,6% das ações, detidas até agora pelo acionista e antigo presidente da SAD Mário Batista, adiantou o representante do comprador dessa participação.

"O meu cliente fez as comunicações devidas à SAD do Santa Clara, em tempo devido, contudo o senhor presidente da assembleia geral entendeu que as comunicações não eram as adequadas e nessa medida entendeu que não estava verificada a transmissão das ações e, como tal, impediu a participação do meu cliente enquanto acionista nesta assembleia geral", disse Pedro Gomes, que abandonou a meio a reunião que decorreu hoje em Ponta Delgada.

Segundo o advogado e representante do empresário de nacionalidade turca Ismail Uzun, o negócio foi celebrado a 18 de outubro com a compra de 46,6% das ações de Mário Batista, antigo presidente da SAD e do clube da II Liga de futebol, que detinha uma participação de 47,6%.

"A decisão do presidente da assembleia geral é tomada no exercício de um direito próprio, não é recorrível para a própria assembleia geral e nessa medida o único recurso que pode haver é por via judicial, através de uma impugnação da própria deliberação, mas isso é uma questão que o meu cliente terá de avaliar e terá de decidir se quer fazer ou não", explicou Pedro Gomes.

O acionista Mário Batista, que compareceu na reunião plenária, confirmou o acordo celebrado com Ismail Uzun, passando assim a deter apenas 1% das ações, e acredita que "tudo será ultrapassado".

"Se o presidente da mesa da assembleia geral argumenta que a representatividade do Dr. Pedro Gomes falha por não serem papéis originais, quer a procuração quer o acordo, com certeza que os papéis vão surgir em termos originais e naturalmente em sede própria vamos dirimir essa situação", disse Mário Batista, recordando que o comprador vive na Alemanha e que "aguarda a todo o momento o original da procuração".

Mário Batista recusa as acusações da atual direção da SAD ‘encarnada’, encabeçada por Rui Cordeiro, de que não terá realizado a totalidade das ações (47,7%) avaliadas em 238 mil euros e já pediu uma assembleia geral, marcada para o dia 11 de novembro, para ser nomeado um revisor oficial de contas para esclarecer se o capital foi ou não realizado pelo acionista.

Segundo o presidente da SAD do Santa clara, Rui Cordeiro, ficaram aprovados os dois pontos da reunião, nomeadamente a "perda das ações tituladas pelo acionista Mário Batista" e "a venda a terceiros" mandatando o conselho de administração para "arranjar um comprador para as ações".

"Nós só procuramos cumprir com a lei, terão de ser feitas propostas, as propostas terão de ser analisadas e validadas pelos acionistas através do conselho de administração, se chegar cá alguém e fizer uma melhor proposta nós teremos de cumprir a legalidade e igualdade de tratamento dos investidores (...). O que temos de fazer é procurar o melhor comprador e com isso capitalizar a SAD ", sublinhou.

Rui Cordeiro espera poder apresentar dentro de dois ou três meses "propostas de compradores" para levar aos acionistas em nova assembleia geral da SAD do Santa Clara.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.