Advogado diz que não há ilegalidade na morte do leão Cecil


 

Lusa/AO online   Internacional   7 de Set de 2015, 18:18

O advogado de defesa do dentista norte-americano que matou o famoso leão zimbabueano Cecil considera não haver base legal para afirmar que o seu cliente, Walter Palmer, tenha feito algo de errado ao abater o felino.

 

Na primeira entrevista dada após meses de silêncio desde a controversa caçada ao leão no Parque Nacional Hwange, no Zimbabué, o dentista norte-americano disse ao jornal Minneapolis Star Tribune que não tinha ideia de que o felino era uma atração do parque e negou confirmar se irá acatar a decisão do tribunal zimbabueano que exige a sua extradição para aquele país africano.

O advogado de Walter Palmer, presente na entrevista, assegurou que não “havia alegações oficiais de que ele (o dentista) tenha feito algo de errado" ao abater o leão.

Após meses de ausência no trabalho, o médico norte-americano anunciou que regressará esta terça-feira a sua clínica que, durante dias, foi palco de vários protestos contra a atuação do dentista no Zimbabué.

A contestação contra os seus atos estendeu-se às redes sociais.

No dia 28 de setembro, o tribunal de Hwange, perto da reserva onde decorreu a controversa caçada, vai ouvir novamente o organizador do safari, Theo Bronkhorst, caçador profissional zimbabueano.

Segundo a acusação, o proprietário do terreno no qual Cecil foi abatido não tinha quota para abater um leão. De acordo com informações não confirmadas, o animal, que tinha um dispositivo GPS porque era seguido no quadro de um estudo científico, foi atraído para fora da reserva.

As autoridades norte-americanas também abriram um inquérito para investigar o caso.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.