Adolescente vende rim para comprar iPhone

Adolescente vende rim para comprar iPhone

 

Lusa/AO online   Internacional   29 de Nov de 2012, 15:09

Sete pessoas foram condenadas a penas de prisão na China por alegado envolvimento no caso de um adolescente que vendeu um rim e comprou um iPhone e um iPad, noticiou esta quinta-feira a agência oficial.

O estudante do ensino secundário Wang Shangkun, de 18 anos, sofreu de insuficiência renal depois de uma operação de transplante ilegal em abril do ano passado, escreveu a agência noticiosa oficial Xinhua.

O jovem aceitou vender o seu próprio rim depois de conhecer na Internet os compradores, que lhe ofereceram 22.000 yuan (2.700 euros) pelo órgão, que depois venderam por dez vezes aquele valor.

No total, nove arguidos foram considerados culpados de danos pessoais intencionais, mas dois deles não foram sujeitos a penas de prisão por terem tido um papel secundário no crime, acrescentou a agência chinesa.

He Wei, que organizou o transplante ilegal, foi condenado a cinco anos, enquanto o cirurgião Song Zhongyu, que realizou a operação, foi condenado a três anos de prisão, com pena suspensa por cinco anos.

He e Song receberam, cada um, mais de 50.000 yuan (6.158 euros) pelo transplante.

A mãe do adolescente, Ou Linchun, disse, durante o julgamento no tribunal da cidade de Chenzhou, na província de Hunan, que o filho não vendeu o rim especificamente para comprar os aparelhos da Apple.

"O meu filho foi tentado pelos comerciantes de órgãos ilegais e terá tido medo de ser apanhado com tanto dinheiro, pelo que comprou um telemóvel e um computador 'tablet'" disse, de acordo com a comunicação social local.

Os arguidos, que não verificaram a idade do jovem antes da operação, pagaram-lhe mais de 1,47 milhões de yuan (182.000 euros), de compensação, o que terá contribuído para que o tribunal fosse mais brando na determinação das penas.

As autoridades chinesas anunciaram, em agosto, que a polícia tinha detido 137 pessoas, incluindo médicos, suspeitas de tráfico de órgãos numa rede criminosa que se aproveitava da grande procura de transplantes na China.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.