Em dia dos Direitos dos Consumidores

ACRA pede mercados digitais seguros para os consumidores

ACRA pede mercados digitais seguros para os consumidores

 

Miguel Bettencourt Mota   Regional   15 de Mar de 2018, 15:30

Hoje que se celebra o dia Mundial dos Direitos dos Consumidores, a Associação dos Consumidores da Região dos Açores (ACRA), citando a Consumers International, vem pedir medidas que tornem "os mercados digitais mais justos acessíveis, acessíveis e seguros" para todos aqueles que recorrem ao comércio online.

 

Entendendo que o comércio eletrónico transformou os hábitos de consumo, a ACRA defende que "urge adotar medidas capazes de assegurar a proteção de todos os cidadãos" e alerta para a necessidade de "informações claras e facilmente acessíveis sobre produtos e direitos digitais dos consumidores".

Além disso, a associação diz ser igualmente importante "que se exija um consentimento expresso e claro do consumidor, com especial proteção para os menores", bem como "a aplicação do direito ao esquecimento previsto no Regulamento de Proteção de Dados Pessoais", que entrará em vigor a partir do dia 25 de maio.

Assim, e olhando a "medidas que vêm reforçar a confiança e a segurança dos consumidores", a ACRA saúda não só o facto de se ter visto garantido a aplicação do  Regulamento de Proteção de Dados Pessoais, como "o fim das barreiras injustificadas no comércio eletrónico dentro da União Europeia (UE)".

A instituição ressalva ainda alguns cuidados que os consumidores devem ter antes de procederem a compras. "Verificar se a loja realmente existe, se tem nº de telefone e se alguém atende, se tem morada no site; pesquisar o nome da loja, de modo a perceber se alguém já teve problemas com a mesma" e "se o site do vendedor apresenta um cadeado ou um endereço 'https'" estão entre os exemplos dados no comunicado enviado a esta redação.

Ainda a esse mesmo respeito, a ACRA pede que os cidadãos cuidem de guardar "toda a informação relativa à transação, incluindo descrição do produto, condições de venda, preço, promoções, custos de transporte, seguros, e os email trocados"; que nunca enviem "por email informações financeiras" e que não esqueçam "que os contratos celebrados através de comercio eletrónico, dispõem de prazos de reflexão para que os consumidores possam desistir da compra e serem reembolsados do preço pago, sem apresentarem qualquer justificação".




 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.