Açores querem reformar regime de deslocação de médicos especialistas

Açores querem reformar regime de deslocação de médicos especialistas

 

Lusa/AO online   Regional   27 de Fev de 2018, 13:57

O Governo dos Açores vai enviar nos próximos dias aos parceiros a proposta de reforma do regime de deslocação de médicos especialistas às ilhas sem hospital e que cria o gestor do doente deslocado, anunciou esta terça-feira o presidente do executivo.

“Não é só em termos de obras que se criam as condições para mais e melhor resposta aos açorianos. E aqui, a partir de Rabo de Peixe, gostaria de anunciar que dentro dos próximos dias será enviada aos parceiros uma reforma do regime de deslocação de especialistas às ilhas que não têm hospital e que no fundo tem três notas características”, afirmou Vasco Cordeiro.

O chefe do executivo açoriano falava na inauguração das obras de ampliação da Unidade de Saúde de Rabo de Peixe, no concelho da Ribeira Grande, em São Miguel, num investimento de cerca de 200 mil euros e que permite "quase duplicar a capacidade de resposta do posto de saúde com a construção de gabinetes para consultas médicas e de enfermagem no âmbito da saúde familiar".

À margem da cerimónia, o presidente do Governo açoriano acrescentou, em declarações aos jornalistas, que o novo regime de deslocação de especialistas "está a ser concluído" para que "nos próximos dias seja enviado aos parceiros de forma a que até final do mês de março" possa estar em funcionamento.

Vasco Cordeiro salientou que este novo regime é “mais amplo e mais integrado”, abrangendo não apenas uma gestão integrada da deslocação de especialistas, mas também da deslocação dos doentes, “atribuindo às unidades de saúde de ilha a responsabilidade para esta gestão”.

Esse novo regime, segundo o presidente do Governo açoriano, reforça ainda o papel da telemedicina, sobretudo nas consultas de acompanhamento, e permite a “regulamentação do gestor do doente deslocado”, que assegurará uma "poupança de tempo, de recursos, e, sobretudo, uma maior comodidade para o doente”.

"Há esta terceira nota com o reforço da componente da telemedicina porque acreditamos, porque sabemos e porque estamos a trabalhar para dar mais e melhor serviço de saúde às açorianas e aos açorianos. E acreditamos que com esta reforma também será possível dar estas condições", sublinhou.

Sobre o investimento na Unidade de Saúde de Rabo de Peixe, o presidente do Governo dos Açores disse que a obra "acaba por integrar um conjunto muito mais vasto de intervenções em praticamente todas as ilhas" naquele domínio.

“Se virmos o universo sobre o qual estes investimentos se concretizam, podemos ter uma ideia muito concreta da grandeza, em termos de infraestruturas, do Serviço Regional de Saúde. Estamos a falar de três hospitais, nove unidades de saúde de ilha, 17 centros de saúde e cerca de 100 postos de saúde por todas as ilhas da nossa região”, frisou na inauguração.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.