Açores pedem ao Governo da República apoio para pesca do atum

Açores pedem ao Governo da República apoio para pesca do atum

 

Lusa/AO Online   Regional   23 de Ago de 2016, 05:54

O Governo dos Açores pediu ao Governo da República que intervenha junto da União Europeia, no sentido de privilegiar os métodos de pesca regionais do atum face a outros utilizados por frotas internacionais.

 

"Pedi o apoio do Governo (da República) para que junto da União Europeia tente-se que os métodos de pesca nos Açores sejam privilegiados perante métodos utilizados por frotas internacionais muito mais depredadores, como é o caso dos cercadores", disse à agência Lusa o Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia, acrescentando que o tradicional método de pesca açoriano é o de salto e vara.

Fausto Brito e Abreu, conjuntamente com o presidente da Associação de Produtores de Atum e Similares dos Açores (APASA), Carlos Ávila e o presidente da Federação das Pescas dos Açores, Gualberto Rita reuniram hoje, em Lisboa, com o secretário de Estado das Pescas, José Apolinário, tendo a pesca do atum como um dos assuntos centrais.

No início do mês, durante a última reunião do Conselho Regional das Pescas (um órgão consultivo do Governo açoriano, que junta todos os parceiros do setor), na ilha do Faial, o secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia reconheceu que a safra do atum tem sido "muito pobre", acrescentando ter solicitado uma reunião de trabalho com o Governo da República.

"As nossas reivindicações tiveram bom acolhimento. Ficou o compromisso do ministério do Mar enviar, em setembro, para a União Europeia uma carta a explicar a situação e defender um privilégio para os métodos de pesca regionais face aos utilizados por outras frotas, tecnologicamente mais evoluídas", referiu o governante açoriano.

Fausto Brito e Abreu revelou que irá deslocar-se a Bruxelas, em setembro, para reunir com representantes da Direção-Geral dos Assuntos Marítimos e das Pescas, bem como com Organizações Não Governamentais ligadas ao meio ambiente, para explicar o que está a ocorrer no mar dos Açores e solicitar apoios.

Hoje, no encontro com o secretário de Estado das Pescas, o governante açoriano abordou também a necessidade de se aumentar a quota do goraz, uma espécie que representa 25% do rendimento dos pescadores açorianos.

"Em novembro vão decorrer negociações europeias e solicitamos ao Governo da República, enquanto Estado membro que defenda uma aumento da quota para os Açores", afirmou Fausto Brito e Abreu.

Atualmente a quota de pesca do Goraz atribuída aos Açores é de 507 toneladas.

Fausto Brito e Abreu revelou que ficou, também, o compromisso do Governo da República de "tudo fazer" para iniciar, em setembro, os pagamentos dos apoios do Plano de Compensação dos Sobrecustos das Pescas (POSEI-Pescas), em falta desde 2014.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.