Açores lamentam recusa de Bruxelas em acionar medidas excecionais para setor do leite

Açores lamentam recusa de Bruxelas em acionar medidas excecionais para setor do leite

 

Lusa/AO Online   Regional   15 de Jul de 2015, 07:27

O Governo dos Açores lamentou hoje os resultados do Conselho Europeu de Agricultura de segunda-feira, revelando que Bruxelas foi "intransigente" na recusa de acionar medidas excecionais para o setor do leite, pedidas por diversos países.

"O desfecho do Conselho Europeu de Ministros da Agricultura não foi satisfatório, tendo o Comissário Europeu Phil Hogan mantido uma postura intransigente relativamente à adoção de medidas excecionais pedidas para o setor do leite por quase duas dezenas de estados-membros", lê-se num comunicado do executivo açoriano, que cita o secretário regional da Agricultura.

Luís Neto Viveiros diz que “embora tenham ficado compromissos para que o assunto seja retomado” no próximo Conselho, previsto para setembro, o que “poderá revelar alguma abertura”, há uma “necessidade imperiosa de que a Comissão tome medidas excecionais”, acentuando o comunicado, o "particular impacto nos Açores" que tem a queda do preço do leite.

O Governo dos Açores considera, ainda, que a decisão de Bruxelas, tomada na segunda-feira, de "prorrogar para além de setembro o regime de ajuda ao armazenamento privado para a manteiga, o leite desnatado em pó e certos queijos (...) também já não é suficiente face à situação dos mercados e à sua desregulação".

O Governo Regional dos Açores e as associações que representam os agricultores açorianos têm vindo a reivindicar medidas extraordinárias de apoio ao setor do leite, alertando para o impacto das consequências do fim das quotas leiteiras, em abril passado, e do embargo russo aos lacticínios europeus, que têm provocado a queda o preço pago aos produtores.

 

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.