Açores dificilmente teriam autonomia sem a FLA e o seu líder histórico


 

Lusa/AO Online   Regional   2 de Dez de 2014, 05:54

O professor universitário Carlos Amaral considerou que sem José de Almeida, líder da Frente da Libertação dos Açores, falecido na sebgunda-feira, e a ameaça separatista, "dificilmente" a região teria a autonomia que tem atualmente.

 

"Sem a ameaça separatista dificilmente a autonomia dos Açores teria sido alcançada. Dificilmente teríamos a autonomia que temos hoje", declarou à agência Lusa o docente da Universidade dos Açores, especialista em movimentos regionalistas europeus.

Carlos Amaral recorda que os movimentos autonomistas de toda em Europa só tiveram sucesso porque tiveram como pano de fundo a "ameaça separatista".

"A concessão da autonomia por parte do poder central em países como a Espanha, Itália, Bélgica, Finlândia e Dinamarca era vista como um mal menor face à ameaça separatista", considera Carlos Amaral, que está convicto de que o mesmo se passou em Portugal com os Açores.

Carlos Amaral considera mesmo que a autonomia, entretanto, "neutralizou a opção separatista", sem roubar um lugar na história ao líder dos independentistas açorianos.

O docente universitário vê José de Almeida como uma das "figuras mais marcantes" da segunda metade do século XX da politica açoriana, destacando o papel que teve, particularmente, após o 25 de abril de 1974.

"Estando-se ou não de acordo com as propostas de José Almeida, foi definitivamente uma das figuras mais marcantes da política açoriana", afirmou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.