Açores criam "programa integrado" de promoção do sucesso escolar

Açores criam "programa integrado" de promoção do sucesso escolar

 

Lusa/AO Online   Regional   16 de Mar de 2015, 15:48

O Governo Regional dos Açores apresentou hoje o conselho científico que vai criar um Programa Integrado de Promoção do Sucesso Escolar para a região, com o objetivo de combater o insucesso escolar e erradicar o abandono escolar precoce.

 

"O insucesso escolar, mais do que abandono escolar precoce, é o principal flagelo do sistema educativo regional, que coloca os Açores em posição de desvantagem até na aceção comparativa", frisou o secretário regional da Educação e Cultura, Avelino Meneses, em Angra do Heroísmo, na apresentação deste conselho consultivo, que é presidido pelo ex-reitor da Universidade de Lisboa António Sampaio da Nóvoa.

A estratégia 2020 prevê a erradicação do abandono escolar precoce, que neste momento se situa nos 32%, e a contenção do insucesso escolar, que, segundo Avelino Meneses ainda é "grande".

Segundo o secretário regional, o programa criado será sujeito a discussão pública e deverá servir de "linha mestra" para o sistema educativo na região "a partir do próximo ano letivo".

"Não estamos em tempo de mega-reformas de matriz centralizadora, que acabam sempre à porta da sala de aula. Em vez disso, estamos muito mais em tempo da criação de condições que promovam a inovação institucional, mais descentralizada, mas mais sustentada", frisou.

Para o secretário regional da Educação, o sistema educativo nacional "ainda é muito teórico", por isso, é necessário alargar as vias tecnológicas e profissionalizantes, sobretudo no secundário.

"A solução está seguramente na invenção de percursos alternativos, desde que nenhum deles equivalha propriamente a vias de segunda categoria, muito menos os profissionalizantes e profissionais, dado que o nosso sistema permanece, e mal, muito teórico, quando a nossa missão consiste, num tempo de alargamento da escolaridade, na formação essencialmente de profissionais, só eventualmente de cientistas, como aliás sucede pela Europa e pelos Estados Unidos", frisou.

Avelino Meneses sublinhou ainda a necessidade de uma "estratégia de acompanhamento" a partir do pré-escolar e do primeiro ciclo, para evitar atrasos precoces, que se "tornem irrecuperáveis".

O secretário regional realçou o papel "insubstituível" dos pais e a importância dos professores, reconhecendo que necessitam de "maior confiança e mais estabilidade no exercício da profissão" e de não serem responsabilizados por todos os fracassos do sistema educativo.

Por sua vez, António Sampaio da Nóvoa considerou que a aposta na educação não pode "ser apenas uma declaração de intenções", defendendo que o programa elaborado tem de assentar num "diagnóstico" da realidade.

Para Sampaio da Nóvoa, é preciso resolver o problema do insucesso escolar nos Açores, "não em 50 anos, mas em três, quatro, cinco anos", seguindo exemplos de sucesso de outras partes do mundo.

O professor catedrático considerou que é necessário mobilizar a sociedade para o problema, ouvir as pessoas e envolvê-las na resolução.

Por outro lado, defendeu que deve haver um grande foco nas aprendizagens e que é preciso atuar a partir do primeiro sinal de que o aluno se está a desligar do processo educativo.

"O problema não se resolve com reprovações sistemáticas. Atrás de uma reprovação vem mais duas, três, quatro, cinco", sublinhou.

Sampaio da Nóvoa destacou também a importância dos professores, alegando que eles necessitam de motivação e autonomia.

O conselho científico é composto ainda por Roberto Carneiro, António Câmara, Ana Maria Bettencourt, Ermelindo Peixoto, Maria Amélia Campos e Suzete Câmara.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.