Açores criam fundo de capital de risco para empresas com menos de cinco anos

Açores criam fundo de capital de risco para empresas com menos de cinco anos

 

Lusa/AO Online   Regional   25 de Set de 2017, 13:34

O Governo dos Açores anunciou hoje a criação de um fundo de capital de risco para novas empresas, de 800 mil euros e disponível até 2021, em parceria com a Portugal Ventures, entidade que vai selecionar e acompanhar os projetos.


"É mais uma medida de apoio às novas empresas, mas uma medida de apoio que se dirige a conjugar dois aspetos, por um lado reforçar a capacidade financeira da empresa, através do aumento do seu capital social, e, em segundo lugar, associado a isso, ter um parceiro de negócios que esteja totalmente empenhado no projeto e que tenha um conhecimento e ‘know-how' que ajude na dinâmica desse negócio", disse o vice-presidente do Governo Regional.

Sérgio Ávila falava na apresentação do fundo de capital de risco Azores Ventures, na incubadora de empresas Start Up Angra, em Angra do Heroísmo.

O fundo dirige-se a empresas com menos de cinco anos sediadas nos Açores, que apresentem projetos em setores estratégicos para a região e que sejam inovadores.

"É esse o desafio que lançamos às empresas que agora surgem e, particularmente aos jovens e não jovens que pretendem empreender em negócios inovadores, ter ideias realistas, concretizáveis, que aproveitem oportunidades de mercado, as suas vantagens comparativas e que tenham capacidade, no contexto de competitividade, de desenvolver o sucesso dessa atividade num mercado que é cada vez mais global", salientou Sérgio Ávila.

As novas empresas podem candidatar-se, através da Internet, a fundos entre os 30 e os 200 mil euros, mas os projetos serão submetidos a uma análise "exigente, responsável e realista", por isso não está prevista a participação no capital social de um "conjunto muito vasto de empresas".

O Azores Ventures tem 90% de capital do Governo Regional dos Açores e 10% da Portugal Ventures, mas, segundo Sérgio Ávila, a Portugal Ventures terá "100% da decisão e da gestão do negócio".

"É um apoio diferente, porque não se trata de uma participação, trata-se de encontrar um parceiro de negócios que participa no capital social da empresa, que é um sócio real da empresa, que a ajuda a crescer e a desenvolver, não só na componente financeira, mas particularmente na componente do ‘know-how', do conhecimento e do acompanhamento do início da atividade", frisou.

O vice-presidente do Governo Regional acrescentou que o apoio é cumulativo com outros, como os sistemas de empreendedorismo, o vale incubação e os programas de apoio ao emprego.

 



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.