Abolição da política de filho único na China vai abranger 90 milhões de casais

Abolição da política de filho único na China vai abranger 90 milhões de casais

 

Lusa/AO online   Internacional   30 de Out de 2015, 09:29

Cerca de 90 milhões de casais chineses estarão elegíveis para ter um segundo filho a partir do próximo ano, à medida que a política de filho único for abolida, avançou um jornal oficial chinês.

 

A decisão de acabar com a política do filho único foi anunciada na quinta-feira após uma reunião de quatro dias à porta fechada entre o Comité Central do Partido Comunista Chinês (PCC), a cúpula do poder na China, e que serviu para delinear as prioridades do 13.º plano quinquenal (2016-2020).

Na prática, esta decisão significa um alargamento da flexibilização da política de filho único, iniciada em 2013 e que permitia aos casais em que ambos os cônjuges são filhos únicos terem uma segunda criança.

Até junho passado, o número de casais que se inscreveram para ter um segundo filho (cerca de 1,5 milhão) ficou muito aquém dos 11 milhões elegíveis.

A medida, que põe fim a um rígido controlo da natalidade que durava desde 1980, visa "contrariar o envelhecimento da sociedade chinesa", indicou a direção do PCC em comunicado.

A mesma nota refere que a China vai continuar a olhar o planeamento familiar como um "interesse fundamental do Estado".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.