Açores/Eleições

A "corrida" de Vasco Cordeiro contra a abstenção

A "corrida" de Vasco Cordeiro contra a abstenção

 

  Regional   4 de Out de 2016, 13:28

Mais do que um passo apressado, é frenético o do candidato socialista Vasco Cordeiro que, por onde passa, passa a mensagem da importância de votar no dia 16, quando os açorianos são chamados a escolher um novo parlamento regional.

 

“Não se esqueça de ir votar”, “vamos votar no dia 16”, “só para lembrar que há eleições no dia 16”, “é ir votar, é muito importante”, repetiu, vezes sem conta, na ilha Graciosa, onde na segunda-feira e hoje, entre outras ações de campanha, percorreu algumas ruas no apelo ao voto, cumprimentando quem estava à porta ou à janela de casa ou os automobilistas que passavam na estrada.

De quando em vez, o cabeça de lista do círculo de São Miguel e recandidato à presidência do Governo Regional lá acrescentava as frases “se o voto for no PS eu agradeço” e “vamos ver o que o povo diz dia 16”.

O ritmo era de tal ordem que o cabeça de lista da Graciosa, José Ávila, disse à Lusa que “é preciso ter pedalada para o acompanhar”, enquanto o mandatário de ilha acrescentou que Vasco Cordeiro “é um homem habituado ao trabalho”, daí a “corrida” na campanha.

“Um passo dele são três meus”, desabafou outro dos elementos da comitiva socialista nesta ilha do grupo central do arquipélago, que elege três dos 57 deputados à Assembleia Legislativa Regional.

E quando o grupo, que distribuía canetas, panfletos e ‘t-shirts’ se atrasava no passo, era Vasco Cordeiro que repetia palavras de ordem como “vamos embora”.

À Lusa, Vasco Cordeiro, 43 anos, salientou, mais uma vez, a importância de no dia 16 as pessoas exercerem o direito de voto e cumprirem este dever.

“Obviamente que fico muito honrado se isso se traduzir na confiança no PS”, declarou Vasco Cordeiro, reiterando que votar “é um sinal de força da autonomia e da democracia”.

Metade dos cidadãos inscritos nos cadernos eleitorais dos Açores não votou nas legislativas regionais desde 2008, ano em que este sufrágio registou um recorde de abstenção, 53,34%.

Já sobre as críticas do líder do PSD/Açores, Duarte Freitas, pelo facto de Vasco Cordeiro não visitar as ilhas do Corvo e das Flores neste período de campanha eleitoral, o candidato socialista respondeu que as populações daquelas ilhas “sabem perfeitamente aquilo que, não é agora, ao longo dos últimos quatro anos” defendeu e decidiu para seu benefício “e no fundo é isso que interessa”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.