"A Colmeia" tem nova escola para melhorar o ensino

"A Colmeia" tem nova escola para melhorar o ensino

 

Paulo Faustino   Regional   18 de Nov de 2010, 17:00

Cooperativa de Ensino “A Colmeia” arrancou neste ano lectivo com uma nova escola que oferece do bom e do melhor aos 200 alunos do pré-escolar e do 1º ciclo que a frequentam. Empreendimento
orçado em 2,6 milhões de euros garante apoio personalizado e diversas actividades extracurriculares
“O Melhor Projecto de Investimento” premiou a nova escola da Cooperativa de Ensino “A Colmeia”, um investimento de 2,6 milhões de euros que veio melhorar a oferta existente em São Miguel ao nível de colégios privados que contemplam o ensino pré-escolar e 1º ciclo do ensino básico.
O projecto foi erguido devido ao grande esforço financeiro feito pela Cooperativa, com o apoio também do Governo Regional e a comparticipação do Programa SIDER.
O novo edifício, situado nos arredores da cidade de Ponta Delgada, arrancou neste ano lectivo com 200 alunos (105 no pré-escolar e 95 no 1º ciclo), mas a sua lotação máxima é de 350 alunos. Todavia, o aumento de alunos será faseado, prevendo-se a abertura de uma sala de aulas por ano lectivo.
“A Colmeia” conta ter, ao todo, 8 professores do 1º ciclo e 6 educadoras, dispondo de 7 auxiliares e duas administrativas. Profissionais, sobretudo no que se refere ao corpo docente, que asseguram o acompanhamento dos alunos ao longo do seu percurso escolar, tanto no pré-escolar como no 1º ciclo. As educadoras e professoras ficam, assim, com um melhor conhecimento dos alunos e dos pais, potenciando a interacção entre todos.
Como explica Melinda Caetano, presidente da direcção da Cooperativa de Ensino “A Colmeia”, “o podermos ver se um aluno está bem ou se necessita da nossa ajuda pelo simples facto de olharmos para ele, contribui para uma sensação de segurança do aluno”. Mas o envolvimento dos pais como associados também lhes dá a oportunidade de terem uma “voz construtiva para poderem alterar aquilo que não está a correr da melhor maneira”. Melinda Caetano salienta que os pais sabem que, no colégio privado, o filho(s) está “seguro e apoiado no que ele precisar”. Uma assistência mais individualizada que permite, ainda no pré-escolar, a detecção de problemas e a sua resolução. São vantagens de “A Colmeia”, além do apoio personalizado (na realização, por exemplo, dos trabalhos de casa), o horário alargado com ocupação variada e actividades extracurriculares, de que se destacam informática, ciência, dança, música e ténis. A Catequese também é possível através da parceria com a Paróquia de São Roque.
No fundo, como realça Melinda Caetano, “a estrutura criada foca-se essencialmente no aluno, no seu desenvolvimento harmonioso, tanto academicamente como enquanto cidadão”.
O novo colégio adopta como ferramenta essencial nas salas de aula o quadro interactivo, que rasga “caminhos novos para o sucesso do processo de ensino-aprendizagem”. 
A responsável manifesta vontade no sentido da cooperativa de ensino criar bolsas de estudo através de parcerias com privados que estão receptivos na prossecução desse objectivo. Presentemente há dois alunos que já estão a ser apoiados pela “Colmeia”, mas a direcção pretende fomentar a atribuição de bolsas a alunos de São Roque. Isto porque “o objectivo da Colmeia é ser interventiva na comunidade que a rodeia”.
Quanto ao futuro, a direcção não exclui a possibilidade de abrir o 2º ciclo do ensino básico, indo ao encontro dos desejos dos pais.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.