Escrevi há uns tempos, e não pela primeira vez, que uma democracia que não possua uma oposição consistente, objetiva, previsível, inteligente, não pode almejar, nem prometer, esperança às gerações futuras. Por outras palavras, a oposição que temos em Portugal, mas também a que temos nos Açores, permitam-me dizer, sem querer...