«Quando em junho de 1927, consegui ver pela primeira vez as artérias do cérebro, através dos ossos do crânio, tive um dos maiores deslumbramentos da minha vida». Estas são as palavras de Egas Moniz que, com emoção recordou, nas suas Confidências de um Investigador...