“[...] No tempo da minha infância e juventude, a porta central da igreja do Senhor Santo Cristo dos Milagres estava repleta de pequeninos escritos, de grande preces. A lápis ou estereográfica, a fé, uma fé de mãos e de silêncio, fazia com que tudo se rogasse ao Senhor...